//
arquivos

Poesia

Esta categoria contém 30 posts

Helena Kolody – Tributo a Poesia

[Carlos Evangelista-Literatura Brasileira]
Neste breve espaço coletamos e queremos também através da sua poesia imortalizar a professora e poetisa paranaense Helena Kolody que tanto ensinou, cantou a natureza, a vida e partiu…
Obviamente que muitos poemas e escritos de HK ainda irão surgir aqui e acolá, como se perdidos e achados nos mais imprevistos esconderijos onde possa caber um verso, um poema, uma poesia, um haicai; enfim, um grito poético. Continuar lendo

Anúncios

Biografia III

[Texto de Vinícius Armiliato] “a goteira que fantasiou quando não viu que o tempo estava lá.” Continuar lendo

NATAL! Luz que ilumina o mundo

[Carlos Evangelista, Natal e Poesia] Que bom, é dezembro. Chegou o Natal. Outra vez o mundo será iluminado pelas luzes natalinas, anunciando que a alegria voltou… É tempo de renascer em cada um de nós a certeza de que nada somos sem Deus e com a Luz do Seu Filho Jesus. Continuar lendo

PAZ INTERIOR

[Carlos Evangelista, Poesia] Continuar lendo

Quero dela ser

[Carlos Evangelista, Poesia] Posso a flor despetalar, Digladiar com os espinhos, Mas de nada me valerá, Vê-la triste a murchar…
Continuar lendo

Hipocrisia Mestiça

Publicado originalmente em POESIAS DE MIM:
Negros me incomodam, Sim… A negrura da alma encardida com a sujeira dessa gente descomedida Encarnadas no juízo imputado pela sociedade nociva. Obscuros becos nas sombras da má índole a qual se aderiu. Penso que humanos tem uma propensão inata Para enegrecer aonde passa, Mesquinhos, De uma arrogância devassa,…

Antes que o tempo feche

Publicado originalmente em Mariel Fernandes:
Não espero a esperança, nada peço a ela. Apenas me desfaço, me despeço e amanheço o que for possível. Lanço luzes nas manhãs rotineiras, falo alto para quietudes acomodadas, desalojo processos, destranco ruas, liberto risos, entardeço, aqueço jardins de inverno. Há quem se incomode e lance aqueles olhares afetados. Foram…

Salve o Brasil!

Publicado originalmente em POESIAS DE MIM:
 Puta que pariu No colo a mãe gentil, Cantando no Ipiranga A graça do Brasil. Pátria amada não se viu. No penhor dessa igualdade O desafio é conquistar a liberdade. A violência dominou nossas cidades. O amor não resistiu. Qual penhor? Tanto labor pra sustentar a malandragem. Ordem por…

Da hora

Não me representam

Publicado originalmente em Mariel Fernandes:
Não me libertem desse governo, nem de nenhum outro. Não lutem por mim, não marchem em meu nome, não me usem, não seremos amigos. Nem conhecidos, nem haverá risco de erro de afirmarem a meu respeito que desprezo seus métodos e metáforas, os acho grotescos, escusos, secos. Por outro lado, não…