//
arquivos

Eder Silva

Esta categoria contém 63 posts

Brasil: justiça vesga e magrela nas margens do Ipiranga

[Texto de Eder Silva, Cultura Política] Às vezes sinto falta das ideologias utopistas da década de 80, onde se acreditava que pudéssemos, em algum momento, mudar a trajetória de nossa cultura, criarmos nossa própria identidade, nosso próprio tempo de dizer: “somos um”. Mas isso ficou na história de uma geração que viu seus sonhos se desfazerem no desprazer de se perder sua ingenuidade… Continuar lendo

Anúncios

Ditos, ritos e mitos na violência urbana

[Texto de Eder Silva, Violência e Cidadania] Pergunto-me às vezes aonde está a humanidade? Será que se escondeu por detrás da relva, amedrontada pela engrenagem robotizante materialista? Será que ela foi assassinada e entregue ao exu-caveira, ao tranca-ruas ou ao zé pilintra??? Será que foi oferecida em sacrifícios como holocausto e libação num ritual macabro? Ou se foi comercializada, trocada por um prato de lentilhas nas portas dos templos pelos pródigos cambistas pós-modernos? Continuar lendo

República do Brasil: The day after!

O que me chamou a atenção foram as fotos divulgadas na mídia dos momentos últimos destes quadrilheiros, antes de adentrar à delegacia: de braços estendidos ao alto com punho cerrado, tipo “panteras negras”, lembram?
Continuar lendo

O Rock também rola de minissaia e salto alto

[Texto de Eder Silva, Estudos de Gênero] Passando pra questão sociológica de “gênero”, atrevo-me afirmar que já faz parte da história do Rock, desde seus primórdios, o palco ser ocupado por mulheres. As primeiras bandas de rock, inteiramente feminina, as Runaways – banda norte-americana formada em 1975 e que contava com ícones como Lita Ford, Joan Jett, Sandy West entre outras – deixaram a marca de seus batons nos microfones e nos corações e ouvidos dos apaixonados do rock. Continuar lendo

Política como religião: vocação ou sujeição (ao sistema)?

[Texto de Eder Silva, Política e Sociedade] Mas, quando o discurso dá na trave? Quando o político se depara com um povo esclarecido da situação, com os pés no chão? E daí, como fica a “fachada” do político? Demagogia ou hipocrisia? Agente ativo na dominação das massas ou agente passivo, refém do próprio sistema politizador que o sujeita? Continuar lendo

Sociologia em imagem e sonoridades

[Texto de Eder Silva, Cotidiano] A ruptura desta identidade que é “projetada” em meu imaginário, é contraditoriamente “vivida” neste videoclipe, onde elementos de ruptura (em relação à minha projeção) podem ser nitidamente observador, pelas cores, pelo céu ensolarado, pela sonoridade descompassada e rica em harmonia; assim, desmitificando aquilo que estava pré-estabelecido em meu imaginário. Continuar lendo

Brasil e EUA: Paradoxos do sistema punitivo?

[Texto de Eder Silva, Cultura Política] É evidente que há contrastes muito acentuados entre “o moralismo hipocritamente rigoroso” dos ianques e a “frouxidão moral” do Brasil e que estes trejeitos, generalizados, não expressam sociologicamente as identidades culturais dos países mencionados Continuar lendo

Corrupção brasileira “à la petit suisse”

[Texto de Eder Silva, transcrito. Política e Sociedade] A meta era cometer o que os suíços ironizaram como “um crime perfeito”. Parte do dinheiro iria para os políticos, parte para o tribunal e parte para o secretário de Energia que daria os contratos. Continuar lendo

Não há mentiras nem verdades aqui … só há música urbana!

[Texto de Eder Silva, Cotidiano] Uma coisa é certa: a mesma ingenuidade de uma democracia principiante não está mais incutida no (in) consciente coletivo. Agora há um quê de maturidade mesclada com intolerância e senso de realidade, onde a crítica, as palavras de ordem e manifesto não são dirigidas à personalidades representativas de governo (s) e sim ao sistema ineficiente, cuja explicação supõe-se decorrente de uma crise de ideologia partidária Continuar lendo

Eu tô de azul e amarelo (de vergonha)

[Texto de Eder Silva, Cotidiano] Parece que o verdadeiro jogo se concentra nas ruas e não nos estádios de futebol. Dentro, o encanto, a ilusão de ser melhor; fora, a dura realidade de um país que tenta mascarar os ranços da ditadura através de discursos “demoncratizantes”. Continuar lendo