//
você está lendo...
Uncategorized

Castro Alves, o “Poeta dos Escravos”

Tags:

Deus, Escravidão, Literatura brasileira, Romantismo, Tuberculose

maxresdefault (3)

Antônio Frederico de Castro Alves era baiano e foi um grande poeta brasileiro nascido no dia 14 de março de 1847 e morreu no  dia 06  de julho  de  1871. No período em que viveu , ainda existia a escravidão no Brasil. Com fama de ser muito simpático e gentil, e de possuir um gosto sofisticado para roupas e de levar uma vida relativamente confortável, foi capaz de compreender as dificuldades dos negros escravizados. Manifestou toda sua sensibilidade escrevendo versos de protesto contra a situação a qual os negros eram submetidos. Seu estilo contestador o fez ser conhecido como o “Poeta dos Escravos”.

Muito novo, mostrou toda sua coragem ao recitar, durante uma comemoração cívica, o “Navio Negreiro”. A contra gosto, os fazendeiros ouviram-no clamar versos que denunciavam os maus tratos aos quais os negros eram submetidos.

Além de poesias de caráter social, Castro Alves também escreveu versos amorosos.

Não é por acaso que no Brasil, Castro Alves é nome de teatros, centros de convivências, praças, ruas e  até de  cidade.

Morreu muito jovem (24 anos) de tuberculose, sem concluir o curso de Direito que iniciara, mas nos deixou livros e poemas significativos, entre eles:

  • Navio Negreiro (1869)
  • Espumas Flutuantes, 1870
  • A Cachoeira de Paulo Afonso, 1876
  • Os Escravos, 1883
  • Tragédia no mar
  • Vozes da África
  • Canto da Esperança e outros

“A Praça Castro Alves é do Povo…”

O compositor e cantor Caetano Veloso, traduzindo livremente o poeta Castro Alves, que escreveu em um dos seus poemas O Povo ao Poder – “A praça! A praça é do povo, Como o céu é do condor” – imortalizou-o na sua canção “Um Frevo Novo”, com os versos: “A Praça Castro Alves é do povo, Como o céu é do avião”. A praça há muitos anos, tornou-se um ponto de encontro dos poetas carnavalescos no Carnaval da Bahia.

 

“Sem poder esmagar a iniquidade
Que tem na boca sempre a liberdade,
Nada no coração;
Que ri da dor cruel de mil escravos,
— Hiena, que do túmulo dos bravos,
Morde a reputação!…”

A canção do africano

Lá na úmida senzala,
Sentado na estreita sala,
Junto ao braseiro, no chão,
Entoa o escravo o seu canto,
E ao cantar correm-lhe em pranto
Saudades do seu torrão…

De um lado, uma negra escrava
Os olhos no filho crava,
Que tem no colo a embalar…
E à meia voz lá responde
Ao canto, e o filhinho esconde,
Talvez pra não o escutar!

“Minha terra é lá bem longe,
Das bandas de onde o sol vem;
Esta terra é mais bonita,
Mas à outra eu quero bem!

“0 sol faz lá tudo em fogo,
Faz em brasa toda a areia;
Ninguém sabe como é belo
Ver de tarde a papa-ceia!

“Aquelas terras tão grandes,
Tão compridas como o mar,
Com suas poucas palmeiras
Dão vontade de pensar …

“Lá todos vivem felizes,
Todos dançam no terreiro;
A gente lá não se vende
Como aqui, só por dinheiro”.

O escravo calou a fala,
Porque na úmida sala
O fogo estava a apagar;
E a escrava acabou seu canto,
Pra não acordar com o pranto
O seu filhinho a sonhar!

……………………….

O escravo então foi deitar-se,
Pois tinha de levantar-se
Bem antes do sol nascer,
E se tardasse, coitado,
Teria de ser surrado,
Pois bastava escravo ser.

E a cativa desgraçada
Deita seu filho, calada,
E põe-se triste a beijá-lo,
Talvez temendo que o dono
Não viesse, em meio do sono,
De seus braços arrancá-lo!

Espumas Flutuantes” é uma coletânea de poemas de Castro Alvespublicada em 1870. Este livro nascera numa época em que o autor lutava contra a tuberculose, que se agravara em função de um acidente numa caçada: a arma disparou e atingiu-lhe o calcanhar esquerdo, quando estava em São Paulo prestigiando a estreia de sua peça “Gonzaga ou a Revolução de Minas”.

Após perder o pé, retorna para sua terra natal, no sertão da Bahia. É nessa viagem que o poeta tem a ideia de publicar seus poemas sob o título de “Espumas Flutuantes”, momento este registrado no poema “Adeus”:

 tumblr_mdrm5cv7Fl1qiq9guo1_1280

O Navio Negreiro é um poema (autoria de Castro Alves) de alto valor significativo no romantismo brasileiro. Pois, o autor toma de forma nada estética o negro como herói de sua obra, diferentemente do que faziam outros poetas, tais como Gonçalves Dias que tomava o índio como herói. Sua abordagem difere-se totalmente do que era recorrente no período do Ultra-Romantismo, também conhecido como “Mal do Século”; ele faz uma denúncia social acerca da escravidão e luta pela abolição dos negros, isso tudo em poemas que emitem pessimismo e angústia.

Resumo do livro

livro  se inicia com o eu-lírico cantando a beleza do alto mar, ele descreve o ato do vento que bate nas velas do barco, a mistura do céu e do mar, o brilho que possui a lua e os astros e a música que se cria com a brisa. O eu-lírico também comenta sobre o navio que seguia e não deixava rastros, também atenta felicidade que estampava na face daqueles que estavam a contemplar todo esse conjunto de extraordinárias cenas.

Vozes da África

Onde estás, ó Deus, que não respondes?

escravo_carta_capital

Assim, o poeta Castro Alves inicia seu poema Vozes da África. É o lamento do Continente Africano, vendo seus filhos serem levados como animais ao mercado de escravos.

Deus! Ó Deus! Onde estás que não respondes!

Em que mundo, em qu´estrela tu t’escondes

Embuçado nos céus?

Há dois mil anos Te mandei meu grito,

Que embalde, desde então, corre o infinito…

Onde estás, senhor Deus?

À semelhança dos versos do poeta, muitas vozes se ergueram quando aconteceu o 11 de setembro de 2001, para indagar onde estava Deus naquele momento.

Por que permitiu que mais de duas mil vidas fossem destroçadas naquela manhã?

Por quê?

Poder-se-ia perguntar ainda onde estava Deus quando fomentamos a Primeira e a Segunda Guerra Mundial.

Quando eliminamos seis milhões de judeus, em nome de uma inexistente superioridade ariana.

E quando empreendemos as Cruzadas, levando a morte àqueles que qualificávamos como infiéis?

E durante a Inquisição de tanta barbárie?

E todos os dias, onde está Deus?

Onde está Deus quando enganamos nosso irmão? Quando mentimos para conseguir favores que desejamos?

Quando desonramos o lar, com o adultério? Quando eliminamos a vida no ventre materno, porque não desejamos o ser em gestação?

Onde está Deus quando deixamos nossos filhos à matroca, sem orientação, porque preferimos a acomodação?

Onde está Deus quando, utilizando o poder que o mundo nos confere, ferimos pessoas, destruímos a honra de outras vidas?

Onde está Deus quando levantamos as bandeiras da pena de morte ao nosso irmão? Ou da eutanásia?

Para todas as perguntas, a resposta é a mesma: Deus está dentro de nós, dentro de cada criatura.

Soberanamente sábio, criou-nos a todos iguais, partindo de um mesmo ponto de simplicidade e ignorância.

Criou os mundos para que neles trabalhássemos, utilizássemos nossas forças e crescêssemos em intelecto e moral.

A ninguém concedeu privilégios. A todos concedeu o livre-arbítrio, com a consequente Lei de Causa e Efeito.

Estabeleceu que a cada um será dado conforme as suas obras e que todos deverão chegar ao mesmo destino, não importa quanto demore: a perfeição.

Ele nos permite a livre semeadura, mas estabelece que a colheita seja obrigatória.

Por isso, uns semeiam ventos e colhem tempestades. Outros lançam ao solo as sementes da bondade, do bem e alcançam felicidade.

Uns estão semeando hoje. Outros tantos estão realizando a colheita das bênçãos ou das desgraças que se permitiram semear.

Conhecedor das fragilidades de Seus filhos, aguarda que cada um desperte, a seu tempo, cansado das dores que para si mesmo conseguiu.

Portanto, não indague onde está Deus, quando você se  deparar com a injustiça. Trabalhe pela justiça.

Não pergunte onde está Deus, quando observar a violência. Semeie a paz.

Não questione onde está Deus quando a miséria campeia. Utilize seus recursos para semear riquezas.

Fontes:

http://www.momento.com.br/

http://nossabrasilidade.com.br/castroalves/

http://brasilescola.com

www.vagalume.com.br

http://homoliteratus.com/o-poeta-dos-escravos-o-canto-do-aflitos/

Carlos Evangelista é jornalista (ESEEI) e especialista em Sociologia Política (UFPR). Este artigo reflete as opiniões do autor. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: