//
você está lendo...
Carlos Evangelista, Políticas Públicas

Florestas do Brasil: Parte II

sm_04

Mata Atlântica

A Mata Atlântica é a segunda maior floresta brasileira em extensão, sendo uma das mais importantes florestas tropicais do mundo, apresentando uma rica biodiversidade. Entretanto, a Mata Atlântica encontra-se, infelizmente, em processo de extinção. Isto ocorre desde a chegada dos  portugueses ao Brasil, em 1500, quando iniciou-se a extração do pau-brasil, importante árvore da Mata Atlântica.

1407

Atualmente, a especulação imobiliária, o corte ilegal de árvores e a poluição ambiental são os principais fatores responsáveis pela extinção desta mata que originalmente cobria uma área superior a 1,3 milhão de Km2, distribuída ao longo de 17 estados brasileiros que iam desde o Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte. Porém, desde o descobrimento do Brasil, até os dias de hoje a área de mata foi reduzida a aproximadamente 7% da sua área original, diante dos ciclos econômicos da história do Brasil, como a extração do pau-brasil, cana-de-açúcar, café e mais recentemente, em função da ocupação demográfica nas áreas urbanas, principalmente nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

exibicao-mataatlanticamapandphoto

Abrangência do bioma

A Mata Atlântica é um bioma de floresta tropical que abrange a costa leste, sudeste e sul do Brasil, leste do Paraguai e a província de Missiones, na Argentina. Sua área de 1.315.460 Km2 está reduzida a cerca de 100 mil Km2. Devido ao seu altíssimo grau de biodiversidade, endemismo e a sua elevada taxa de desmatamento, está entre os cinco principais hotspots  do mundo, ou seja, áreas que  apresentam os biomas mais ricos e ao mesmo tempo mais ameados do planeta, de  acordo  com levantamento feito pela ONG Conservation Internacional.

Fauna

Com mais de 1300 espécies, sendo que aproximadamente 500 espécies são endêmicas, ou seja, que só vivem ali. A Mata Atlântica possui cerca de 20 mil espécies de plantas, além de mamíferos, aves, répteis e anfíbios.

Próximo ao oceano (Serra do Mar) estão as planícies de restinga, dunas, baías, enseadas, mangues, lagunas, etc., verdadeiros berçários de grande parte da vida marinha, além da beleza natural e patrimônio genético e paisagístico que imita uma grande escadaria que regula o fluxo dos mananciais hídricos,  fertilidade  do  solo,  controla  o  equilíbrio climático e protege escarpas e encostas das serras, além de preservar um patrimônio histórico e cultural imenso.

É importante destacar que o Código Florestal, de 1965 é a principal lei para a proteção das florestas no Brasil e do Sistema Nacional de Unidade de Conservação (Lei 9.985/00). Outro mecanismo importante de defesa da Mata Atlântica foi à aprovação da Lei 11.428/06 e seus respectivos decretos.

slide09

Fauna e Flora

Em qualquer trecho da Mata Atlântica se pode avistar espécies da flora como palmeiras, bromélias, begônias, orquídeas, cipós, briófitas, pau-brasil, jacarandá, perobas, jequitibás-rosa, cedros, figueiras, canelas e  muito mais. A Mata Atlântica possui uma fauna riquíssima e com sorte podemos ver capivaras, jaguatiricas, onça-pintada (em extinção), anta, muriqui, arara-azul (em extinção), tatu-canastra (em extinção), mico-leão dourado (em extinção). E aves; muitas aves, do jacu, aos canários.

Índios da Mata Atlântica

Alguns povos indígenas, ainda habitam a região da Mata Atlântica. Entre eles podemos destacar: Kaiagang, Terena, Potiguara, Kadiweu, Pataxó, Wassu, Krenak, Guarani, Kaiowa e Tupiniquim.

boticario-saltomorato

Guaraqueçaba

A área de proteção ambiental de Guaraqueçaba, no Paraná, concentra o maior remanescente contínuo de floresta atlântica do Brasil, referência de pesquisa e ecoturismo.

Vale lembrar que no dia 27 de maio é comemorado o Dia da Mata Atlântica.

Fontes:

www.reservasparticulares.org.br

http://www.aliancamataatlantica.org.br/

www.conservacao.org.br

www.rppnbrasil.org.br

www.corredores.org.br

www.frepesp.org.br

www.ibama.gob.br

www.mma.gov.br

www.pacto.org.br

http://www.sosma.org.br/

www.icmbio.gov.br

 

Carlos Evangelista é jornalista (ESEEI) e especialista em Sociologia Política (UFPR). Este artigo reflete as opiniões do autor. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: