//
você está lendo...
Cultura Política, Eder Silva

Quase sem querer, né…

images

“Tenho andado distraído
Impaciente e indeciso
E ainda estou confuso
Só que agora é diferente
Estou tão tranquilo e tão contente”

(Legião Urbana)

Olá brava gente brasileira! Depois de algum tem enrustido nas leituras, saúdo-vos um tanto perplexo e confuso quanto às atitudes dessa gente que não se respeita, aliás, que me leva a pensar: será que eu sou daqui mesmo??? Ah, saudade dos poetas contraculturais que vociferavam suas poéticas profecias aos quatro ventos desse nosso cenário!

Puxa vida! Após um mês de manifestações, vozes ecoando pelas ruas e pelos palácios, gritos e palavras até que bonitas como: justiça social, mudança, etc… percebo um povo confuso, sem saber o que quer, sem saber como usar sua força massiva para pagar a conta daqueles que estão sendo ultrajados durante esses quatro anos de desgoverno, de abandono, de precariedade moral e ética!

Dessa massa confusa e dominada por um discurso fajuta eu esperava pelo menos um pouco mais de sensatez, pelo menos um pouquinho de atitude reacionária…

Acompanhando nas entrelinhas da mídia imediatista sobre as esperanças e desesperanças desse povo que se chama Brasileiro, achei uma poesia que muito me trouxe à realidade dessa política enfadonha, bestial e sarcástica que teima pairar sobre o “zeitgeist” tupiniquim. Atrevo-me dizer que as opções nas últimas eleições podem ter sido uma mera repetição de um misto de coronelismo com clientelismo… um arroto na cara do eleitor! Mas não justifica encontrar-se no segundo turno uma candidata que teve 4 anos para nos convencer, mas não convenceu, não demonstrou um mínimo de personalidade para governar… E isso e posso dizer pautando-me, boa parte, nas conversas de bar que tenho escutado.

Posso não ter convicção a um político ou partido que me encoraje ir às urnas. Mas posso, sim, ter a chance de não dar o prazer àqueles que, descaradamente, portaram-se de maneira insensível às necessidades que a sociedade reivindicou. Meu voto é de protesto e não de escolha. Sei que o próximo a ocupar o trono dessa colônia chamada Brasil pode continuar com os mandos e desmandos de um sistema colonial feudal, defendendo seus puxa-sacos, e etc… mas, de minha parte, como diz Poncio Pilatos, lavo minhas mãos do sangue inocente que continuará escorrendo pelas esquinas e ruas. Voto na oposição e não me envergonho.

Só não entendo porque, depois de eleger um mandatário, o povo vai para as ruas fazer “baderna”, e depois insiste em colocar os mesmos no poder! Isso é, no mínimo, inconsequente! É pensar que estamos vivendo no “melhor dos mundos”, lembrando o sarcasmo de Voltaire na obra “Candido ou o Otimismo”.

Mas, infelizmente, essa nossa velha matrix é compostas também de fantasias e fanfarrices!

Deixo-vos então essa poesia para adoçar a vida dos petralhas de plantão:

Por | Não é você, sou eu – ter, 7 de out de 2014

Marina,
sei que fui rude , disse coisas no calor da emoção, te acusei de não ter personalidade própria e peguei pesado.

Justo com você, tão magrinha, tão frágil, delicada, com aquela voz que vai sumindo antes do fim da frase, que meio que irrita, que meio que vai dando uma angústia, que meio que desaparece no vento…

Sei que antes, antigamente, no século passado da última semana, eu não queria te ver nem pintada de verde.

Só que o mundo da voltas. Pelo menos duas. E nesta segunda volta, eu te quero do meu lado.

Fica comigo, Marina.

Que besta que eu era.

Aonde eu tava com a cabeça quando disse aquelas besteiras sobre você? Qual o problema de ter uma amiga banqueira? Nenhum! (Aliás, me apresenta…) Se suas convicções religiosas são ultrapassadas? Jamais! Quem disse? Se for alguém que trabalha comigo, demito amanhã.

Como diria minha vó, religião, futebol, casamento gay e independência do Banco Central são assuntos que a gente não deve discutir. Pra quê? Bobeira, né…

Eu mudei, Marina. Acredite em mim! Sabe aquelas discordâncias todas, aquelas diferenças que eu insistia em jogar na sua cara? Lembra? Hahaha! Não existem mais. Me aproximei muito das suas ideias e ideais desde domingo a noite. Sei lá, me deu um estalo, caiu a ficha, amadureci, me apaixonei.

Vamos fazer uma aliança. Vamos dançar uma dança Pataxó. Sobe no meu palanque, me dá a sua mão, vamos caminhar juntos, lado a lado, até o ponto mais alto do palácio. Na esplanada, o pôr-do-sol é lindo, Marina.

A partir de agora, eu estou 100% fechado com você. Se eu quero algo em troca? Nada. Não acredito em relações que começam a assim. Não sou pelo tomá lá da cá. Agora, se de coração aberto, você vier com 15, 10% da sua força, já me dou por satisfeito, já vai ser um privilégio.

Eu sei, eu sei, você precisa me conhecer melhor. Posso te mandar o meu programa? Eu tenho um – e foi impresso com papel reciclado, viu. Sempre fui uma pessoa sustentável, ecologicamente correta e tenho sangue índio correndo nestas veias europeias.

Má…

Posso te chamar de Má, não é?

O que passou é passado. Disse o que disse da boca pra fora. Foi influência do pessoal do marketing, do pessoal que só pensa em ganhar, ganhar e ganhar. Cansei disso, Má. Só quero sua amizade, ouvir seus conselhos e te dar um ministério importante e vistoso.

Acho até que os meus ataques contra você tinham um fundo psicológico. É que você me lembra muito uma professorinha que eu tive no primário, uma que sofreu pra me ensinar matemática e me colocava de castigo dia sim, dia não. Eu olhava pra você e voltava, imediatamente, para os meus dias de criança. Coisa louca, né…

Vou te contar um segredo: meus amigos te adoram. E eu, eu, me desculpe a ousadia, mas eu te amo! Sempre te amei!

Preciso do seu apoio, do seu carinho, da sua Rede Sustentabilidade balançando na minha varanda.

Sem essa de ficar neutra. Neutralidade é para os fracos. E você, Marina, Marina Morena, Marina Poema, Marina Maravilha, Marina Razão da Minha Vida, Marina Simplesmente Silva, você é uma força da natureza.

A gente não tem muito o que pensar. Outubro passa voando. Diz que está do meu lado, diz agora, diz que aceita o meu pedido de desculpas, diz que gosta de mim, pede para os que gostam de você, gostarem de mim também. Diz agora, diz agora pra não se arrepender por quatro anos.

Má, nem pense em olhar para o outro lado.

Te peço de joelhos.

A outra turma só quer o seu corpo. O povo de lá não liga no dia seguinte. Não sabem nada do amor. Mais amor, por favor!

Marina, você é o meu número. E o meu número você sabe qual é, não é?

Eder Silva é especialista em Sociologia Política (UFPR); bacharel em Turismo (UP) e teólogo (FCC). Este artigo reflete as opiniões do autor. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

Anúncios

Sobre Eder Silva

I'm a outsider

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: