//
você está lendo...
Carlos Evangelista, Cotidiano

ILHA DO MEL – PATRIMÔNIO MUNDIAL DA UNESCO: Encontro da paixão nos mares com ondas e sem ondas

mapa_ilha
Nas encantadas ondas lá onde os mares se encontram, a gruta amedronta o mais experiente navegador dos mares.
Na Praia da Gruta, pousadas, repúblicas, pensões e areia do mar pra descansar perto do Morro do Sabão. Uma vontade boa de namorar e depois surfar.
Na Ponta do Nhá Pina o desafio por entre as fendas abertas nas pedras que abraçam mar, terra e as pessoas descuidadas que passeiam nas Conchas, Praia Grande, Joaquina, Brasília , Farol das Encantadas, rumo ao Forte da Fortaleza e o retorno ao trapiche. Antes, um olhar contemplativo nas Pontas do Bicho, do Hospital e Doeste de onde se avista distante Superagui, Ilha das Peças e muito mais a descobrir…
O mar de Pontal mistura Pontinha e grandes navios que seguem ao Porto de Paranaguá. Bonito e bravio o Oceano Atlântico mete medo e progresso. São muitas as lendas e histórias acontecidas na Ilha do Mel.
DSC04308 - Cópia - Cópia - Cópia - Cópia (2) - Cópia
Por não ter ruas ou estradas, só trilhas circundam a ilha com altitude máxima de 151m e 35 Km2 de praias e costões rochosos onde só se escuta o canto do mar de dentro (com ondas) e belas paisagens da baía e do ocidente no mar de fora (sem ondas); um piscinão delicioso que abraça os visitantes no sempre convite ao banho de mar com a energia das pedras, da areia, dos morros e das trilhas românticas e mirabolantes.
A enigmática Ilha do Mel é lugar para se encontrar além de um banho de mar e sol. É experimentar uma estação de férias e se divertir de acordo com as suas escolhas.
Ilha do Mel Foto: Jorge Eder
A origem do nome da ilha pode ser por causa da cor avermelhada na Praia do Istmo que lembra favos de mel no entreposto de navios em busca de farinha; mel em alemão na tradução dos Índios Carijós. No tempo da escravidão, os escravagistas deixavam as mulheres e demais escravos presos na Gruta das Encantadas e iam a Paranaguá e Curitiba vender seus escravos. Quando os novos senhores iam buscar as suas escravas promoviam orgias na Ilha do Mel. Falam também de muitas abelhas e de uma pessoa de sobrenome Mehl.
As críticas giram em torno da sinalização antiga e precária das trilhas, carestia na travessia de acesso e nos restaurantes. Tem pousadas para todos os bolsos. Falam de um cemitério e de muitos navios submersos nas proximidades do Forte da Fortaleza, (uma antiga prisão construída em 1760). A bestialidade do homem de querer conter o avanço do mar, com ondas, é uma tolice expressada em grandes sacos de areia e muros de pau a pique que obriga a descoberta de novos caminhos na bela e inesquecível Ilha do Mel.
Fontes:
http://www.vouprolitoral.com.br
http://www.ilhadomelonline.com.br
http://www.paranagua.pr.gov.br
http://www.ilhadomelpreserve.com.br
Carlos Evangelista é jornalista (ESEEI) e especialista em Sociologia Política (UFPR). Este artigo reflete as opiniões do autor. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: