//
você está lendo...
Carlos Evangelista, Política e Sociedade

PMDB do Paraná rachado e quase acabado

Requião  x Pessuti
Visando reduzir a quase zero o poder de fogo político do ex-governador e atual senador Roberto Requião, o secretário geral do PMDB do Paraná, Orlando Pessutti, atual aliado do governador Beto Richa, do PSDB, dissolveu, no último dia 4 de junho, quase 80 diretórios municipais do partido no Estado.
Próximo nocaute, do grupo peemedebista pró-Richa é vencer a convenção partidária e daí sim expurgar de vez o grupo peemedebista pró-Requião. Ou seja, o PMDB do Paraná, que tem como presidente o deputado federal Osmar Serráglio quer selar definitiva e incondicionalmente apoio a reeleição de Beto Richa, nas próximas eleições de 2014, em troca, talvez, da cadeira de vice-governança ao PMDB.
Neste jogo de interesses dos políticos profissionais está também o soberano povo, que assiste a decadência do tradicional PMDB, que no Paraná está esfacelado, todo rachado e prestes a se acabar, diante da ganância e dos interesses pessoais dos seus “caciques” espalhados de Norte a Sul do Brasil, onde já se ensaia que parte do partido irá apoiar o PT da Dilma Rousseff, o PSDB de Aécio Neves e outros conchavos ainda por virem antes das convenções que nortearão os rumos das eleições de 2014.
Por isto, talvez, já faz jus a pecha (na surdina) de que no Brasil o PMDB é a prostituta do poder; quem der mais leva. No Paraná a pecha poderá ser aplicada em detrimento da ideologia e tantas lutas. Neste sentido, só mesmo Roberto Requião (juntamente com os autênticos peemedebistas) poderá conter esse conchavo prenunciado, nas próximas convenções, ainda sem data para ser realizada. Porém uma coisa é certa, muita água ainda vai passar por baixo desta ponte, seja para os politiqueiros plantonistas endossarem a iniciativa de Pessuti, ou para criticarem tal medida de autoritarismo e medida antidemocrática, ainda que uns e outros justifiquem que o partido está se organizando para a devida modernização. Mas evidente está o forte interesse interno para a condução do PMDB estadual e, por conseguinte a definição dos nomes que irão conquistar espaço para a disputa eleitoral do ano que vem. Sabe-se de antemão que os derrotados na convenção vindoura, estarão fora do próximo processo eleitoral, seja ao Palácio Iguaçu, senado ou câmara federal e Assembleia Legislativa do Estado, podendo ser o fim da carreira política para algumas “raposas do rabo felpudo” do histórico PMDB.
Contudo, alegando “ato arbitrário”, o senador Roberto Requião encaminhou esta semana, ao Diretório Nacional do PMDB, pedido de intervenção no diretório paranaense do partido.
Diante do exposto, certo é que já despontam alguns pré-candidatos ao governo do Paraná: Beto Richa-PSDB (tentará reeleição), Gleisi Hoffman-PT, o próprio Roberto Requião (se vencer a convenção, em Curitiba) Osmar Dias-PDT, com chances remotas e outros pré-candidatos menos expressivos.

Carlos Evangelista é jornalista (ESEEI) e especialista em Sociologia Política (UFPR). Este artigo reflete as opiniões do autor. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

Anúncios

Discussão

Um comentário sobre “PMDB do Paraná rachado e quase acabado

  1. ELES VAÕ SE UNIR NOVAMENTE ISSO NEM TEM O PORQUE TUDO VAI DAR CERTO , NO MUNDO NEM TUDO E´MAR DE ROSAS JUNTOS NA PROXIMA

    Publicado por elisa l, martins | 3 de julho de 2013, 10:03 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: