//
você está lendo...
Comunicação Política, Eder Silva

Soprando no vento

Não tão importante, se comparado com as últimas manchetes publicadas nessa semana, como por exemplo, a confissão (pasmem!) em “primeira mão” de Dunga falando sobre no que ele errou na derrota do Brasil da Copa 2010 (ver na íntegra em: www.esporteinterativoplus.com.br); ou a manchete de destaque no segmento político, quando em um evento de premiação dos melhores políticos (pasmem!!!) de 2012 entitulado “Premio Congresso em Foco” o Senador Eduardo Suplicy, juntamente com o palhaço, (ops, ou melhor), deputado Tiririca, em um momento desigual de êxtase cultural, cantam juntos, em uníssono, e febrilmente ressucitando o saldoso Nelson Gonçalves, o tão sacralizado hino do Rock’n roll de Bob Dylan, “Blowin’ in the wind” (ver vídeo acima postado em destaque). Mas há também de ser reverentemente considerada a extraordinária criatividade da mídia, ao fazer uma excelente cobertura da modelo Nana Gouveia ao se projetar elegantemente diante da estrondosa tempestade Sandy em Nova Iorque, visto que a referida modelo nega de pé junto que sua intenção tenha sido se promover através deste episódio (da tempestade, é claro). Seguindo a cobertura midiática ao arraial “artístico”, temos também o interessantíssimo acompanhamento das últimas investidas do cantor Zezé di Camargo, aliás, quem será o seu mais novo romance?

Acredito que, diante de tanta variedade jornalística, o que me resta é me concentrar em assuntos não tão importantes assim, mais compatível com minha “casta ou classe” social, como a cobertura jornalística das investidas do crime organizado que tem ocorrido na região metropolitana da Grande São Paulo (ver matéria em: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/11/acao-da-pm-em-maio-gerou-onda-de-crimes-em-sp-apontam-investigacoes.html )

Acredito também que devo me ater com notícias mais superficiais, como as do mensalão, que, daqui a pouco, pode até virar “decadão”, pois, depois de quase uma década, os olhos da Têmis (símbolo da justiça), continuam descobertos e bem distantes da imparcialidade, fazendo com que a corrupção ainda esteja impregnada em nossos poros, em nosso sangue… A justiça, que deveria ser entendida como “cega” (imparcial), tem-se-nos apresentado como “vesga” e “lenta” como uma lesma! Queiram, por misericórdia, me desculpar os defensores da (i) moral justiça brasileira, mas o que tenho a vos falar, é meu repúdio a esta desinteria verborrágica que corre pelos canais de comunicação sobre a “lenga-lenga” pseudo-justiceira… E não me venham dizer que “não é tão simples assim”. Minha ingenuidade já se foi a um longo tempo!

Não me interpretem como socialista idealista, pois, acredito que o socialismo, natimorto, foi uma utopia hipocritamente atrelada a uma nova forma de ditadura. Mas, acredito que, teríamos um mundo inteiro, e até um pouco mais, se a mídia constituísse em um instrumento à favor da plebe desguarnecida e de mãos atadas; visto que o sistema judiciário já a muito tempo está metido em um emaranhado sem precentes, paralisado das pontas dos pés ao último fio de cabelo.

Deixando os mortos cuidar de seus mortos pra trás, e falando mais da contemporaneidade, tenho por certo que a situação desta sociedade que insiste em se autodenominar moderna, ou na visão de alguns, pós-moderna, é mais contextualizada à sociedade feudal / estamental. Somos sufocados por este lixo informacional “genita”lístico que tentam socar-nos garganta abaixo.

Mediante estas minhas palavras, ácidas, mas um tanto preocupadas, fico aqui então a cantar os trocadilhos do Cazuza, aguardando a tão solene e aguardada apresentação do seu novo show em 2013:

Será que eu sou medieval?
Baby, eu me acho um cara tão atual
Na moda da nova Idade Média
Na mídia da novidade média

[…]

Eu vejo o futuro repetir o passado
Eu vejo um museu de grandes novidades…

Deixo então aqui, paciente leitor, minha indagação: “Que música devemos cantar no solene e triste funeral do restante de nosso bom senso?”

Eder Silva é turismólogo (UP) e gestor da informação (UFPR). Este artigo reflete as opiniões do autor. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações

Anúncios

Sobre Eder Silva

I'm a outsider

Discussão

6 comentários sobre “Soprando no vento

  1. Caro Éder
    Após assistir a exatos 14 segundos do vídeo vem-me a pergunta: será que o Feudalismo assistiu a espetáculos tão patéticos?
    1 abs. KLeber

    Publicado por Kleber | 14 de novembro de 2012, 8:57 am
    • Olá professor! Realmente ficaria muito patético chamar a este espetáculo (de horror) de feudal. Seria, a meu ver, um elogio, no mínimo.
      Agradeço pelo comentário, e, se der um tempinho aí em SP, venha para o Enpecom, que começa na terça feira!
      Valew, e bom trabalho, alegria e saúde sempre!

      Publicado por Eder Silva | 15 de novembro de 2012, 5:46 pm
  2. não assisti ao video ainda (problemas técnico-burocrático)… mas já aplaudo pelas vaias e assobios embutidos no con-texto que Apresentou num Show-des-Concerto de vinhetas musical… para alguns tantos eu canto ” tô vendo tudo, tô vendo tudo, mas bico calado faz de conta que sou mudo… ” cançao Meu País, de Zé Ramalho… que já é lamentávelmente tema da nossa novela Corrupção…

    Publicado por anovamente | 14 de novembro de 2012, 11:18 am
    • Valew Adriano. É só o Zé Ramalho mesmo para espantar toda essa corja de vampiros que tentam chupar o sangue do restinho de cultura (ou contracultura) existente nesse planeta dos macacos!
      Enquanto isso, vamos envernizando nossas janelas da percepção, para que não sejamos derrubados de nossas poltronas.

      Publicado por Eder Silva | 15 de novembro de 2012, 5:49 pm
  3. Parabéns Eder. Não há o que falar da nossa mídia vazia, que só se interessa pelo espetáculo (pelo comércio do espetáculo). Circo de mal gosto e massificador. Tua retomada das notícias da semana nos deixa entre o riso e a incredulidade.

    Publicado por joseaugustohartmann | 14 de novembro de 2012, 7:35 pm
    • Como diria Voltaire, se estivesse vivo: um pouco de incredulidade nunca faz mal á essência de nossa fé! (risos).
      Abraços e grato pelo comentário, Hartmann. Até a próxima.

      Publicado por Eder Silva | 15 de novembro de 2012, 5:44 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: